CARTA ABERTA COM REPTO E DISPONIBILIDADE DA ALGFUTURO COOPERAR COM AS ENTIDADES PÚBLICAS FACE Á ENCRUZILHADA, ENTRE UM CENÁRIO DE INICIO DE RECUPERAÇÃO EM 2021, OU UMA PROFUNDA DEPRESSÃO COM TRAMBOLHÃO DE PENÚRIA NO ALGARVE
Solução adequada é garantir vacinação no Algarve até fim maio
– Hoje, 15 fevereiro, 18h, reunião ALGFUTURO / Deputados PSD

1. Tem sido muito difícil a situação no Algarve desde que apareceu o vírus Covid-19 com impactos tremendos a
nível económico, social, psicológico, etc., que têm conturbado a vida das empresas e da sociedade.
Neste contexto a Algfuturo apesar de jovem tem assumido um papel determinante enfrentando os problemas
e apresentando soluções.
Tem sido muito intensa a atividade já com o PLANO ECONÓMICO elaborado e demonstrando que no Algarve
mais do que uma simples queda de atividade em relação a 2019 se verificou um enorme trambolhão entre 5 a
8 vezes maior do que a média nacional, por ser fortemente dependente do turismo, na ordem dos 70%.
2. A expetativa é que 2021 melhorasse em relação a 2020 e recebendo a região apoios públicos à proporção de
uma queda na atividade económica mais intensa do que no resto do país.
Hoje, parece claro, contudo que no 1º e 2º trimestre a situação será mais grave do que em 2020 e que no 3º e
4º trimestres estamos numa perigosíssima encruzilhada que poderíamos equacionar do seguinte modo.
3. QUE ESPERAR DO 3o e 4o TRIMESTRES?
– HIPOTESE 1. Vacinação concluída dentro de um calendário normal até fim de maio e promoção turística
a começar em março. Nesse cenário, tudo aponta para um ano melhor que 2020, com alguma recuperação.
– HIPOTESE .2 Vacinação concluída no final de setembro. Seria a hecatombe. Ano de 2021 pior que 2020, com
trambolhão ainda maior, no Algarve e em relação à média nacional. Bateríamos fundo, em vários casos
com números negativos em relação a 2019, com necessidade de apoios públicos de dezenas de milhões face
â fortíssima descapitalização e mesmo assim enfrentando penúria duradoura! Mas mais, com traumas psicológicos e até mortes naturais ou suicídios que crises desta natureza provocam. Acrescem, os muitos milhões de divisas do turismo que não vêm.
4. TUDO CLARO, NÃO PODENDO NINGUÉM ESCONDER-SE POR DETRÁS DA DISTRAÇÃO! Certo, certo, é que
os empresários e algarvios em geral, nada podem fazer! Tem que se evitar o colapso! CASO NO PLANO BASE SE APONTE PARA SETEMBRO, A SOLUÇÁO É INTRODUZIR UM CRITÉRIO DE SUSTENTABILIDADE ECONÓMICA E SOCIAL COM BASE NA FORTE DEPENDÊNCIA DO TURISMO,
ASSOCIADO À PRIORIDADE Á VACINAÇÃO NO ALGARVE ATÉ FINAL DE MAIO. Igual tratamento seria dado
no Continente a regiões e zonas em que as atividades dependentes do turismo são superiores a 60% da riqueza do espaço geográfico respetivo.
Perante os dramas, tem que se optar com criatividade e coragem. Todos no Algarve o que querem é trabalhar.
Esta é agora a grande frente de batalha dos algarvios, que está sobre a mesa das importantes reuniões da ALGFUTURO com os Deputados, na semana passada com o PS e hoje a partir das 18h com o PSD.
5. Outra frente de trabalho respeita a cultura do abacate e inconvenientes que alguns lhe apontam. Como sempre, ALGFUTURO vai aprofundar a matéria num quadro em que, até agora, não encontrámos fundamentos para essa perseguição. Mas, como sempre, estamos em cima do acontecimento.
6. O TRABALHO EM QUE SE EQUACIONA O PROBLEMA ESTÁ FEITO PELA ALGFUTURO!
O DESAFIO QUE SE LANÇA COM ESTA CARTA ABERTA É DE TODOS.
ÀS ENTIDADES PÚBLICAS LANÇA-SE UM REPTO, COM A NOSSA DISPONIBILIDADE DE COOPERAÇÃO.
TUDO TEM QUE SER FEITO PARA QUE REGIÁO NÁO SE AFUNDE!
UM REPTO, COM A NOSSA DISPONIBILIDADE PARA AVALIAR OUTRAS SOLUÇÕES E COOPERAR!
Cumprimentos.
O Presidente da Algfuturo
(Jose Vitorino)